2016 está sendo um ano difícil para o bolso do consumidor. Principalmente se tratando de produtos da cesta básica do brasileiro que a cada dia sofre aumentos; um exemplo é o feijão que no primeiro semestre do corrente ano chegou a aumentar 33%.
A consequência desse aumento são os problemas na produção. No estado do Paraná onde um quarto do feijão nacional é produzido, no período do plantio, em fevereiro, as lavouras foram castigadas pela chuva; durante o mês de abril veio a estiagem e em junho o frio; o que prejudicou as plantações.
O preço do feijão caiu 4,64%, o do arroz em 2,4%. Mesmo com a pequena redução do feijão e arroz e de alguns outros produtos também, pesquisas de um Conselho de Economia apontam que neste segundo semestre de 2016, os itens da cesta básica dos brasileiros estão 50% mais caros do que do mesmo período do ano de 2015.
Os itens que que sofreram aumento agora foram café e tomate. O café teve o preço aumentado em 3% e o preço do tomate tem assustado o consumidor com o aumento em 9%. Outros produtos como farinha, açúcar, leite e seus derivados também sofreram aumento.
Dentre as 27 capitais, a cesta básica de Salvador (BA) está entre as mais baratas. Já São Paulo é a capital com maior custo para o conjunto básico de alimentos, logo atrás vem Porto Alegre, Florianópolis e Rio de Janeiro, Cuiabá e Brasília (Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos- 08/2016).
Mesmo com o reajuste em 11,57% – aumento de R$: 92,00- neste ano de 2016, o que subiu o salário mínimo do trabalhador de R$: 788,00 para R$: 880,00, ainda não é suficiente para lidar com os gastos mensais necessários para sobrevivência das famílias brasileiras.
O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Diesse) estima que o salário mínimo suficiente para suprir as despesas de um trabalhador e sua família (com alimentação, educação, saúde, vestuário, higiene, moradia, transporte, lazer e previdência) deveria de ser equivalente à R$ 3.716,77 ou 4,22 vezes mais do que o mínimo atual de R$ 880,00.

Por: Dayana Rubem

Deixar resposta